Êh, caroço! – Crônica de uma relação invasiva – episódio #0

No episódio inaugural do podcast “Êh, Caroço!”, faço comentários sobre o e-mail e a relação mitas vezes carregada de tensão entre determinadas categorias, como os jornalistas e assessores de imprensa, com insights refletindo sobre a produtividade na gestão desta ferramenta no ambiente corporativo.

Episódio #0 – Crônica de uma relação invasiva

Quem nunca pecou pelo excesso alguma vez que atire a primeira pedra…

Assim acontece com todo mundo… até com alguns dos melhores profissionais de comunicação. É…casa de ferreiro, espeto de pau…já dizia a sabedoria popular…a linha que separa o chato do eficiente é quase transparente…muitas vezes o excesso de zelo nos leva a errar a mão…

Digo tudo isso refletindo sobre o uso do e-mail no trabalho e seus acessórios…ahhh…o e-mail… quando surgiu, parecia ser mais uma maravilha da revolução tecnológica que de uma hora para outra havia desabado como uma avalanche no ambiente de trabalho…Era uma solução milagrosa…uma panacéia, talvez.

Durante muito tempo o e-mail foi o grande protagonista como instrumento de comunicação direta entre diversos tipos de profissionais…  Foi assim também entre esses profissionais irmãos, mas separados durante a gestação: falo aqui do jornalista e do assessor de imprensa…Profissionais com a mesma raiz e o mesmo radical, mas que muitas vezes operam em direções contrárias na maré do trabalho…

Mas… com o mau gerenciamento contínuo desta ferramenta, a concorrência e a necessidade de mais resultados, algumas categorias profissionais passaram a não considerar mais o e-mail suficiente para os seus objetivos primários…O e-mail que parecia bom e suficiente…ganhou o reforço absolutamente invasivo da ligação telefônica. Foi assim também na relação entre o jornalista e o assessor de imprensa…Hummmmm…Dezenas de ligações recebidas e ainda muitas por receber para avisar do e-mail…ou seja, o e-mail passou a precisar de outro instrumento para startar a sua efetividade…o e-mail…ahhhhh…. o e-mail que parecia ser o nosso melhor amigo…agora virou repositório de spams ou um fantasma que insiste em assombrar aqueles que não ousam domar as suas regras e conceitos…um monstro indomável capaz de tirar do sério até mesmo o menos estressado dos profissionais…Dezenas, centenas, milhares de mensagens…umas poucas mensagens interessantes perdidas em uma mar de oba oba…e ainda as ligações para confirmar o recebimento…Sinceramente, preferia não ter de dar uma resposta automática…vi sim…estamos avaliando se pode entrar na nossa pauta…obrigado…

Agora imagine o seguinte cenário: a pessoa está concentrada no trabalho, pensando em ajustar um conteúdo, com um olho no abacaxi que tem pela frente e outro no dead line para conclusão  e recebe uma ligação: Alô, você pode me confirmar o recebimento do meu e-mail?…Imagina ter de fazer isso a cada meia hora…

Não é brincadeira o barato…como diria o repente nordestino, rapadura é boa, mas não e mole….Por isso, os profissionais que lidam com o e-mail são obrigados a estabelecer algumas regras…Num tempo em que a produtividade é fator fundamental para a vida das pessoas é necessário disciplina…Estabelecer critérios, filtros...Por isso, eu mesmo passei a construir alguns filtros e a olhar o e-mail apenas três ou quatro vezes no dia…Mudei a frase padrão: Ainda não vi, mas vou ver…mas pode me confirmar o recebimento????…olha infelizmente não posso olhar o e-mail agora, mas vou anotar a tua ligação…pode ser? Pode até parecer pedante, mas é aquela coisa, para alguns você não precisa se explicar, mas para outros não adianta nem tentar se explicar…

E tudo isso começou antes mesmo da revolução dos smartphones…quando a situação parecia ter chegado num ápice, eis que os celulares chegaram para não te deixar em paz, amplificando em muito essa percepção invasiva da realidade corporativa… Agora não são apenas e-mails, ligações, mas também mensagens no whatsapp, mensagens no face…putz…são agendas em cima de agendas querendo mudar…a tua agenda…que contradição…imagina a quantidade de notificações do whatsapp, do facebook, te tirando o foco daquilo que você está fazendo…

Os especialistas em produtividade e em gestão de pessoas já ensinaram que o monotarefa é muito mais produtivo e menos suscetível a erros...Não tem como você manter o foco estando vulnerável a interrupções…Se não bastassem as muitas distrações que a tecnologia já nos oferece…

Resumo da história…acredito que nenhum profissional pretenda ser naturalmente antipático com os colegas que de alguma forma estabelecem relação por e-mail como é o caso dos jornalistas e assessores de imprensa, por exemplo…mas é preciso estabelecer regras de produtividade…pois as regras são importantes e imprescindíveis para o êxito de qualquer atividade… e tem mais outra coisa…limitando a consulta aos e-mails e estabelecendo filtros claros e objetivos fica ainda mais fácil capturar aqueles de utilidade mútua…e vamos deixar as ligações telefônicas para as emergências e urgências da vida…Vida que segue…

Retenção de conteúdo

6 Insights capturados neste podcast

Num tempo em que a produtividade é fator fundamental para a vida das pessoas é necessário disciplina…Estabelecer critérios, filtros…

Por isso, passei a construir alguns filtros e a olhar o e-mail apenas três ou quatro vezes no dia…

Os especialistas em produtividade e em gestão de pessoas já ensinaram que o monotarefa é muito mais produtivo e menos suscetível a erros…

Não tem como você manter o foco estando vulnerável a interrupções…

é preciso estabelecer regras de produtividade…logo, é necessário a compreensão de todos, pois as regras são importantes e imprescindíveis…

Limitando a consulta aos e-mails fica mais fácil filtrar aqueles de utilidade mútua…e vamos deixar o telefone para as emergências e urgências da vida..

 

Facebook Comments

Profissional do jornalismo desde 1996 e entusiasta do empreendedorismo digital. Figura carimbada em redação de jornais, vislumbra novas oportunidades no marketing de conteúdo e no desafio do homeoffice. Freelancer por opção, ele é manauara, nascido no Rio. Cristão pela graça, amigo de cães e gatos.

Não deixe passar em branco